A palavra ideal traz consigo a imagem de perfeição e excelência. Como batistas compreendemos que precisa- mos abandonar o passado e buscar o plano divino diaria- mente ou como diria Paulo: “…esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo…” (Fp 3.13-14). Não se trata de uma amnésia do passado, mas de uma compreensão de que o plano de Deus encontra-se sempre à nossa frente e que é somente pela Sua força que conseguimos alcançá-lo.

É neste contexto que surge a grande pergunta: como formar melhor os cristãos e as famílias batistas para uma vida que busca diariamente alcançar o ideal de Deus? Gostaria que esta pergunta fosse o centro de preocupações dos gestores educacionais das igrejas, dos professores e líderes de células e grupos familiares. Para isto indico três linhas de reflexão/atuação básicas que estão norteando as diversas ações da Educação Cristã da CBP neste ano. São elas: um cristão que busca santificação; um cristão bem fundamentado em sua fé; e um cristão apto para o serviço.

A primeira linha precisa ser a santificação. Sem a santificação ninguém verá a Deus (Hb 12.14). Jesus veio implan- tar na face da Terra o Seu reino, o qual deve estar dentro de cada um (Mt 12.28; 6.33) e consumar-se diariamente (At 14.22) mediante um sacrifício vivo diante de Deus (Rm 12.1), para que, em unidade, a Igreja leve o mundo a crer em Jesus Cristo (Jo 17.21). Santificação não é religiosidade, é mudança profunda de valores que leva a um novo agir.

A segunda linha é o estabelecimento claro de pilares onde a fé é alicerçada. Muitos cristãos hoje em dia não sabem afirmar claramente a razão de sua fé. Acabam sendo levados por qualquer vento de doutrina e sucumbem frente à mentira de Satanás (Ef 4.14). A fé e a doutrina da Palavra de Deus precisam figurar como base essencial em nossas Igrejas. É hora de pastores, professores de Escolas Bíblicas, líderes de células revisarem com a igreja local a declaração de fé dos Batistas Brasileiros. Precisamos retomar nossa identidade batista, pois, esta é a força que nos une.

A última linha aqui descrita envolve realmente o serviço cristão. A Palavra de Deus afirma que as obras não salvam (Rm. 3.28), entretanto devem acompanhar a salvação experimentada (Tg 2.14-18). Infelizmente estamos assistindo ao crescimento de uma legião de membros de igreja que se assumem consumidores da fé e de cultos. Suas vidas estão longe de ser um testemunho vivo da obra de Deus. Cabe à Igreja promover um ensino vivo e ativo. Ou seja, a teoria na prática, no serviço.

Juntos façamos do projeto educacional de cada Igreja batista um importante fundamento do crescimento ecle- siástico e da transformação de vidas e famílias no estado do Paraná. Juntos, busquemos o ideal de Deus para o ser humano.

 

Rosane Torquato

Dir de Ed Cristã da CBP