Na relação entre aspectos psicobiológicos e histórico-culturais, asmulheres são, em geral, caracterizadas como protetoras e cuidadoras. Isso não é uma regra, mas destacam-se no comportamento feminino. Entretanto, a História nos apresenta fatos que,em diferentes tempos e movida por diversas situações, a mulher também descobre-se como líder, negociadora de conflitos, criativa e inovadora.
Lembro-me de algumas mulheres da Bíblia. Débora (Juízes. 4 e 5) e Abigail (I Sm.25) não perderam a ternura, porém com sabedoriae discernimento espiritual, negociaram conflitos de grandes proporções. Há uma frase no clássico cântico de Débora que me atrai: “… até que eu Débora me levantei…”(Jz.5:7). Outro relato encontra-se em Provérbios 31:10-31. Esta mulher traz de longe as suas provisões, distribui tarefas, investe em propriedades, mas conjuga essas capacidades ao dom do acolhimento e serviço aos mais necessitados. Como se ainda não bastasse consegue “sorrir diante do futuro” (v.25). É uma mulher de esperança!
Num tempo caracterizado como de crise, a mulher também se angustia. Entretanto, ao erguer-se pode vislumbrar uma série de oportunidades a partir da crise.A mulher está atenta e entende que pode colaborar neste momento (e ainda se realizar pessoalmente!). Na igreja, nos círculos de amizades, nas redes sociais tem me chamado a atenção o número de mulheres que estão agregando mais rotinas em suas vidas: estudantes e empreendedoras. As mulheres também estão buscando entender temas como “Investimentos bancários”, “Construção de Planilhas financeiras”, “Administre seu próprio negócio”… Crises existem, mas por meio da busca em oração da força e sabedoria divina é possível alimentar a esperança e a confiançaque inspiram nossa criatividade e ações inovadoras.
Filhas amadas de Deus levantem-se e sorriam diante do futuro!
Rosane Torquato

Siga a CBP!