O Capítulo 2 de Ju ízes é um relato geral do que foi o denominado “Período de Juízes” na vida do povo israelita. O restante do livro mostrará os detalhes desse tempo. Esse período de Juízes foi permitido por Deus para que o povo israelita percebesse o quanto dependia do Senhor para livrá-los dos seus inimigos. A inconstância marcou esse período da história de Israel. Foi um tempo difícil, negro, caótico, onde não se buscava a direção de Deus e cada um

fazia ou agia conforme bem queria (Juízes 21.25). E sem consultar a Deus, esquecido das obras e feitos do Senhor no passado, o povo foi de mal a pior. Quando o anjo do Senhor lhes apareceu para adverti-los chamando-lhes a atenção, eles choraram em Boquim, que se traduz como “o lugar de choro”. Mas, só chorar não resolve. Faltou-lhes arrependimento e mudança de atitudes. Eles haviam recebido a ordem de Deus para exterminar dos seus termos, das terras recebidas do Senhor, todos os povos que ali habitavam. Porém, eles fizeram alianças com esses povos seguindo os seus costumes, que incluíam adoração a outros deuses. Aqui identificamos dois erros de Israel: O primeiro, a desobediência à ordem do Senhor. E o segundo, o envolvimento de Israel com a idolatria. O povo desobedeceu a Deus porque se esqueceu dos mandamentos de Deus. Foram deixando de lado, geração a geração, até se esquecerem por completo. O povo desobedeceu porque também se esqueceu de consultar ao Senhor sobre o que deveria fazer, procedendo como bem queria, sem uma direção segura da parte de Deus. Um “círculo vicioso” então se estabeleceu. Deus, em Sua infinita misericórdia, ou vindo o clamor do povo que gemia quando eram oprimidos pelos outros povos inimigos, levantava Juízes para livrá-los. Contudo, quando aquele Juiz libertador morria, eles esqueciam-se novamente do Senhor e voltavam a praticar os mesmos atos que Deus reprovava. Então, o capítulo 2 de Juízes é a síntese do que foi esse inconstante período. Cabe-nos aqui uma reflexão: Até que ponto as exortações do Senhor por meio da sua Palavra tem influenciado as nossas vidas? O Senhor Jesus nos exorta em Mateus 5.24 a sermos não apenas ouvintes, mas praticantes de sua Palavra. O erro do povo de Deus no passado não

pode ser o mesmo erro do povo de Deus no presente. Deus tem buscado no Seio da sua Igreja cumpridores da Sua Palavra e não apenas meros ouvintes. Ser ouvinte é bom, mas ser cumpridor é melhor e o mais necessário! Ser cumpridor da Palavra é abrir mão do pecado e viver com integridade e ter uma vida de santificação. O “Período de Juízes” nos é apresentado na Bíblia como um alerta e para nos mostrar o quanto é doloroso um distanciamento da presença e comunhão com Deus. Que o “nosso período” seja o período da busca e da profunda e constante (não inconstante) comunhão com o Senhor.