Entendo a Educação cristã como um projeto que começou no coração de Deus. Ainda no Antigo Tes- tamento, Deus deixou para o povo hebreu toda a conduta de relação com o próximo e com Ele, além de como isso deveria ser passado para as próximas gerações (Dt.6; Salmo 78). Em Jesus Cristo temos o evangelho, as boas novas, a plenitude do Deus Vivo entre nós, a consumação de todo o amor e propósito do Reino de Deus. Aceitar a Cristo envolve o compro- misso de segui-lo (sermos discípulos e discípulas!), vivermos intensamente a riqueza e profundidade de Suas Palavras e dar continuidade à missão de educar (ir e fazer novos discípulos – Mt.28:19,20; Jo.8:31,32).

Seu amor e compaixão pelos diferentes e despre- zados é algo que nos impacta e contagia. Sua r- meza, conhecimento e determinação como Senhor e Mestre são exemplos a serem seguidos (Lc.11:27,28; Jo. 4, 11). A intenção pedagógica, ou seja, a consciente missão de educar é o destaque na vida de Jesus (Jo.13:13). Pesquisas relatam, por exemplo, que a

palavra “discípulo”, que signi ca aprendiz, aquele que segue, foi empregada 243 vezes no Novo Testamento. Acredito que a construção de uma Igreja que cres- ce e permanece passa, obrigatoriamente, pela visão de educação cristã que a mesma tem. Pensar uma Educação Cristã batista para este tempo é considerar o Estudo da Palavra pelas diferentes gerações e atra- vés de diferentes estratégias: pequenos grupos, célu- las, escola bíblica, grupos de interesse (temáticos), a palavra no púlpito, as músicas cantadas, dentre ou- tras possibilidades. É entendê-la como algo que rompe com o conceito de informações religiosas. Trata-se de transformação de cosmovisão e de atitude de vida. Que possamos prosseguir rmes na maravilhosa missão do ensinar-aprender dentro do grande projeto do Reino de Deus!

Rosane Torquato

Diretora de Educação Cristã da CBP