Estamos às vésperas de mais uma Copa do Mundo, agora no Brasil. Como brasileiros, somos o país mais avançado e vencedor de Copas do Mundo: somos penta-campeões. Somos o país que mais exporta jogadores para o mundo. Somos bons de futebol. Junto com a Copa, vem a campanha de Missões Estaduais no Paraná. Assim como exportamos e enviamos jogadores para o mundo, somos um país que envia missionários, homens e mulheres para dar testemunho de Jesus em outros continentes. Tanto longe, quanto perto, há gente que precisa ser campeão na vida.

Por isso, o diabo, “nosso adversário”, gosta de trabalhar em nossas mentes tentando convencer-nos de que somos fracos e de que não temos condições, sequer, de manter nossas casas e igrejas, e como então poderemos fazer missões? Ele tenta desanimarnos e desviar a atenção dos necessitados em nossos bairros e cidades para fixarmos os olhos nas nossas necessidades. Tenta cegar nossos olhos para não ver a miséria dos verdadeiros miseráveis e derrotados, aqueles que são seus escravos espirituais. Aliás, quanto a estes, ele tenta convencernos de que estão bem e de que não precisam de nós.

Ainda há muito sofrimento no Paraná, mas a Igreja do Senhor está aqui para aliviar os corações opri- midos e feridos pelo diabo e levar-lhes Jesus, como Aquele que dá a vida vitoriosa. Precisamos que cada cristão tenha uma consciência missionária mais arrojada e abrangente, uma visão para a proclamação do evangelho, tanto aos que estão perto, quanto aos das cidades distantes, aqui e nos confins da Terra. Precisamos levantar os olhos e ver os campos brancos para a colheita. Cada crente precisa colocar em sua mente e coração o Reino de Deus em primeiro lugar e consequentemente estará investindo mais de sua vida e de seus recursos financeiros na obra missionária.

Consciência missionária é colocar esta tarefa em primeiro lugar na vida; é enxergar os desafios de evangelização e cura, não somente com os olhos, mas com ações práticas, com projetos arrojados e engajadores de crentes missionários. Consciência missionária, não é algo só do intelecto e do pensamento; é trabalho cotidiano no Reino de Deus em favor dos perdidos; é resgate de vidas; é entrega de vida; é investimento significativo de bens e dinheiro na obra de evangelização.

Oremos para que haja uma consciência missionária ativa em cada um de nós. Oremos pelas lideran- ças das igrejas para que sejam altruístas no desafio de suas igrejas para fazer missões. Oremos para que Deus liberte muitos crentes da influência do inimigo, que os induz a pensar que não podem evangelizar. Oremos para que Deus nos liberte do discurso da miséria e da incapacidade, para que creiamos que podemos fazer muito mais.

Pr Izaias Querino

Diretor Geral da CBP