No mês de maio é comemorado o mês da família, que é um projeto de Deus. Em Gênesis, a Bíblia diz: “Portanto deixará o homem pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão os dois uma só carne” (Gn 2.24). Casamento é coisa séria, os jovens não devem casar sem saber o papel que cada um deve desempenhar.

O texto de Gênesis 2.24 diz para deixar pai e mãe. Vemos ai o princípio da independência dos pais. Independência física, emocional e financeira. Casamento não é aventura, não podemos casar para ver se dá certo. O casa- mento sendo uma instituição divina foi feito para dar certo, é uma nova família que está sendo formada.

O versículo continua dizendo “Se une à sua mulher” e não a qualquer mulher, mas a sua, aquela que Deus escolheu. Ao tornar-se uma só carne há fusão de alvos, sentimentos, desejos e emoções. “E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher, e não se envergonhavam” (Gn 2.25). Nudez tem relação com transparência, eles estavam despidos: física, emocionalmente e espiritualmente. No casamento não podemos esconder nada do cônjuge, um deve saber o que o outro sente, pensa e deseja. Transparência no casamento é necessário.

Homem e mulher casados agora estão prontos para ge- rar filhos. E, com a chegada deles, a família está completa. A Bíblia diz que os filhos são herança do Senhor.

Vivemos em uma sociedade que não valoriza a família, temos presenciado muitos casamentos destruídos, filhos rebeldes e arruinando a sua casa. Uma família temente a Deus, que mostra amor ao cônjuge e aos filhos, é um exemplo para a sociedade.

No passado, ao pronunciar o sobrenome de uma determinada família, já identificávamos o valor dela. Muitos diziam, ele é desta família? Então é gente boa.

Não podemos jogar fora os valores que Deus estabeleceu para a família, o desejo dEle é vê-las firmes e fortes. Valorizemos e lutemos pela família, busquemos os valores de Deus para ela.

Cleverson Pereira do Valle, colaborador de OJB