Neste ano de 2015 desenvolvemos a Campanha de Missões Estaduais com o tema: “Meu Coração Bate por Missões”.

Houve uma grande mobilização das igrejas batistas do Paraná para o avanço da obra missionária. Muitos cultos inspirativos, ações missionárias e mutirões foram realizados em prol de Missões no Paraná.

Até a primeira quinzena de no- vembro, levantamos uma oferta especial de R$ 324.862,01 e 408 novos adotantes. Estamos ainda aquém de nosso alvo (R$ 500.000,00) em função da crise financeira que assola nosso país. Muitas igrejas levantaram sua oferta, mas ainda não enviaram.

Cremos que nosso Deus está acima de qualquer crise e que nosso amor por Missões se sobrepõe a qualquer dificuldade.

Clamo aos irmãos, pastores e igrejas batistas de nosso Estado que enviem suas ofertas para continuarmos avançando com a obra missionária em nosso Estado.

movendo o coração de nosso povo pela obra mis- sionária paranaense. Vamos avançar mesmo na crise! “Meu nome é Marco Navarro, sou membro da I B de Itaúna do Sul… Durante a campanha de missões um pastor compartilhou que havia adotado um missionário no ano passado e adotou outro este ano. Disse que se Deus der condições, todos os anos adotará mais um. Incentivou que cada membro fosse desafiado a adotar um missionário por ano.

“Num sábado de manhã, assistindo ao programa de TV (Programa Juntos da CBP) me deparei com um missionário dando uma entrevista que chamou minha aten- ção. O missionário era o pastor Rivelino, falando sobre o projeto que Deus deu a ele, capelão fazendo visitas aos navios que chegam ao porto de Paranaguá. Ele relatou histórias de marinheiros falando das suas dificuldades, pois ficam meses sem notícias dos familiares. Um marinheiro contou que seu lho tinha nascido há três meses e ainda não o conhecia, devido às di culdades de comunicação e até o contato por telefone com a família era difícil. Para ele conhecer o lho, o pastor Rivelino acessou a internet e ele pode ver seu lho. Vários outros casos que o pas- tor conseguiu ajudar tanto com con- tatos e até mesmo auxilio espiritual e emocional, pois os marinheiros cam solitários, muitos sem nenhum apoio. Fiquei emocionado. Então Deus abriu o meu entendi- mento para contribuir para missões. Entendi que tudo passa, mas a palavra de Deus permanece. Eu posso e vou contribuir para que alguém conheça o evangelho, pois através de missões, o Senhor faz a obra.”

Flávio Lucius Aguiar Alves

Diretor de Missões e Desenvolvimento de Igrejas da CBP