Em boa parte das nossas igrejas já estamos na fase final da Campanha de Missões Estaduais 2014 e por ser esse um momento determinante para o futuro da obra missionária no nosso estado, gostaria de enfatizar a importância de nos superarmos em amor e levantarmos uma oferta muito especial e também novas adoções.

Essencialmente a obra missionária Estadual é o alicerce de toda a obra missionária que realizamos em nosso país e no mundo, pois é por meio do crescimento das nossas igrejas e da plantação de novos trabalhos que teremos novos obreiros e mais recursos para enviar até os confins da terra, como é a vontade de Jesus (Atos 1.8).

E pensando assim decidimos como povo Batista Paranaense mudar o nosso jeito de fazer missões. Ao longo dos últimos anos e com muito trabalho temos reunido vários irmãos de todos os cantos do Paraná para juntos recriarmos a nossa estrutura missionária debaixo da orientação de Deus.

Começamos e várias ações foram implementadas, ainda temos muito a fazer, mas já podemos perceber que esse é um novo momento. O desejo é que cada batista dos Campos Gerais e do Paraná sonhe em fazer parte da geração usada por Deus para transformer o Paraná.

O Paraná é um estado com muitas igrejas evangélicas, talvez umas três ou quatro na cidade que tiver menos igrejas. Se for assim, o que justifica sonhar com o crescimento das nossas igrejas e com a plantação de novos trabalhos? Eu gostaria de dar alguns motivos a fim de que você se sinta estimulado a se engajar mais ainda nesse sonho de Deus.

Em primeiro lugar precisamos plantar novas igrejas e trabalhar para o crescimento das que já existem porque como batistas nós não estamos buscando membros que venham de outras igrejas evangélicas, mas sim novos convertidos, pessoas que passem pela experiência de se render a Jesus e que venham a viver de fato o evangelho e transformar o mundo.

Em segundo lugar o estabelecimento de novos trabalhos e o crescimento das nossas igrejas potencializará o avanço do crescimento missionário no mundo inteiro, pois obviamente teremos novos obreiros e mais recursos para enviá‐los.

Em terceiro lugar e o que nos deve chamar mais a atenção são alguns dados estatísticos preocupantes e que passo a relacionar:

No Paraná:

  • Os assassinatos cresceram 259% nos últimos 30 anos;
  • É o nono estado mais violento do país;
  • De cada quatro denúncias de abuso e exploração sexual infantil registradas em 2013 no país, uma ocorreu no Paraná;
  • É o terceiro estado no ranking da violência contra a mulher
  • 13 mulheres são agredidas por dia em Curitiba;
  • De 2001 a 2011 a violência nas capitais do país caiu 17% em média; em Curitiba, cresceu 63%;

No Brasil:

  • A cada dia, pelo menos 20 crianças de 0 a 9 anos de idade são atendidas nos hospitais brasileiros que integram o Sistema Único de Saúde (SUS) vítimas de violência;
  • 70% dos casos de abuso de crianças de 0 a 9 anos de idade acontecem dentro da casa da vítima;
  • crescimento do narcotráfico e o avanço das cracolândias;
  • crescente número de pessoas que sofrem de depressão: 15% da população mundial. Já é a quarta doença de maior impacto global e até 2020 será a segunda;
  • No Brasil a estimativa é que 10% da população sofra de depressão. Essa doença cresceu 17% nos últimos 10 anos;
  • Em 2011 o número de divórcios cresceu 45% no Brasil;
  • 10 milhões de pessoas estão viciadas em pornografia;
  • Nos últimos 30 anos, a taxa de homicídios contra jovens entre 14 e 25 anos cresceu 326,1%;
  • A taxa de suicídios cresceu 30% nos últimos 25 anos. Mata 26 brasileiros por dia.

Esses dados evidenciam claramente que por mais que tenhamos muitas igrejas no Paraná, elas ainda não fazem frente ao crescimento das necessidades. Claramente percebemos dia a dia a desestruturação das famílias. Alguns desses dados mostram que o Paraná ocupa uma liderança vergonhosa no Brasil no que diz respeito à violência: crimes violentos, violência contra as mulheres e abuso de crianças.

E mais, se você analisar melhor perceberá que o fator preponderante nos avanços desses índices tem a ver com a desestruturação da família. A família vem sofrendo ataques de todos os lados nessa sociedade moderna e talvez a única instituição a defender a família seja a igreja.

Não deixe de participar, oferte com amor e generosidade conforme tudo que o Senhor te tem dado. Faça também uma adoção missionária, aquilo que pode parecer pouco pra muita gente, fará toda diferença na obra da evangelização do nosso estado. Ore constantemente pelos missionários e pelo avanço da obra, pois mais que todas as outras coisas, precisamos do poder de Deus e sua presença para realizar a sua obra. Um abraço a todos.

 

Pr Romério de S Santos

Coordenados das Igrejas Bastistas dos Campos Gerais