“Até que todos cheguemos à unidade da fé e ao pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem, feito à medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13). A cada dia, mais e mais, as organizações estão sob pressão para apresentarem mais qualidade naquilo a que se propõem, ou seja, vivemos um tempo em que o mundo é caracterizado por uma intensa competitividade. Cada vez mais, as instituições são desafiadas pelos mais rigorosos padrões de qualidade para produtos e serviços. É sempre bom lembrar que as organizações são feitas de pessoas e para atender pessoas, ainda que tenha uma marca, um registro, sempre haverá pessoas “fazendo acontecer”. Isso significa que para uma instituição ser excelente depende de pessoas que fazem acontecer esta exigência de excelência. Essa atitude é consequência do momento comportamental das organizações e são frutos dos programas de qualidade total e de excelência iniciados nos anos 50 e que ganharam forte impulso nos últimos anos do final do século passado.


Quando analisamos este momento, à Luz da Palavra de Deus, observamos que, há muito tempo, o apóstolo Paulo já falava da necessidade de ser melhor a cada dia. É interessante que quando lançaram as bases destes programas, o apóstolo Paulo há muito já havia escrito o texto de Efésios, que é o mais completo e objetivo resumo dos programas de excelência m todos os seus aspectos. A expressão introdutória do versículo 13 de Efésios 4, diz: “Até que todos… ” e efetiva a necessidade de uma constância no propósito de alcançar o mais elevado padrão de excelência, ou seja, buscar uma profunda interação, que se traduza pela unidade dos princípios bíblicos, dos valores espirituais e morais. Se formos capazes de entender o imperativo de que “todos” precisam ser alcançados, preparados, atualizados, e manter essa constância, então, estaremos na busca da excelência, que não é algo que se instala automaticamente, que se estabeleça ou que se imponha de cima para baixo, mas um processo contínuo de aperfeiçoamento, de construção gradativa, conquistada com o tempo. O aperfeiçoamento contínuo é outra responsabilidade que o texto define através da expressão “pleno conhecimento”, que não se limita a, simplesmente, alcançar a todos, mas também em conquistar, dia a dia, uma compreensão plena, que possa ser traduzida em eficiência. Ainda que, no primeiro instante, a tarefa que realizamos possa parecer completa, sempre haverá a necessidade de evolução.



“Com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo” (Ef 4.12). O comprometimento com os resultados é outro aspecto fundamental na busca por excelência. Ainda faz-se necessário um profundo comprometimento com os resultados, “Até que todos cheguemos”. Reconhecer o valor e importância do resultado a ser alcançado permite a visualização de oportunidades diversificadas de crescimento e desperta o interesse em ampliar os horizontes. Quando alcançarmos um profundo comprometimento com os resultados estaremos na caminhada da busca da excelência. As potencialidades desenvolvidas, sistemática e harmoniosamente, refletem em crescimento e em desenvolvimento pleno na direção ao alvo estabelecido, “A perfeita medida da estatura da plenitude de Cristo”, em busca da excelência.



Fonte: O JORNAL BATISTA