O poder do perdão é ilimitado. Como servos de Jesus somos desafiados por Ele a perdoar aqueles que erram conosco e nos magoam. Pode parecer simples, mas todo aquele que já lutou conra a dor e a angustia sabe que preciso uma força excessiva para perdoar, de coração; para deixar de lado a dor e liberar o perdão a quem nos ofendeu. Do mesmo modo, o perdão pode libertar da escravidão e da culpa aquele que nos ofendeu, e até mudar o rumo da sua história. “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12.21). O perdão envolve atitudes e ações. Se você foi alguém que acabou de ser afrontado por algo, tente responder com atos de benignidade. Se for o caso, diga a essa pessoa que gostaria de restaurar seu relacionamento com ela. Estenda a mão , você descobrirá que atos corretos levam a sentimentos adequados. Jesus nos dá uma surpreendente advertência sobre o perdão. Se recusarmos perdoar ao próximo, Deus também se recusará a nos perdoar. Quando não perdoarmos aos outros, negamos nossa condição de pecadores que precisam do perdão de Deus.



“Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Ef 4.32). Essa é a lei do perdão que Cristo nos ensinou. Ela também pode ser vista na oração do Senhor: “Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores” (Mt 6.12). Deus tem nos perdoado, não porque perdoamos ao próximo, mas, principalmente, por causa da Sua imensa misericórdia. Entretanto, quando começamos a entendê-la, desejamos ser como o Senhor. É fácil pedir perdão a Deus, mas é difícil concedê-lo aos outros. Sempre que pedimos que Deus perdoe os nossos pecados, devemos perguntar a nós mesmos: “Será que eu tenho perdoado aqueles que me tem magoado?”. “Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar e ai te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem, e apresente a tua oferta” (Mt 5.23-24). Nós fomos chamados para perdoar os outros como Cristo nos perdoou, “Suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro, assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vos também” (Cl.3.13).