A Convenção Batista Brasileira escolheu para 2014 o tema “Família, o ideal de Deus para o ser humano”, tomando como divisa a declaração de Josué registrada no capítulo 24.15b: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. Isto me leva a pensar sobre como nós, pastores, iremos abordar essa temática durante este ano.

Teríamos autoridade para afirmar que a família é o ideal de Deus para o ser humano? Somos nós, como bem aconselha o apóstolo Paulo a Timóteo, exemplo para os fiéis no tocante a esta matéria? Em nossa escala de valores onde entra a família? Será que em nome da obra não temos relegado a família a um segundo plano?

Uma pesquisa de pastores realizada pelo Instituto Fuller aponta que 80% dos pastores acreditam que o ministério pastoral está afetando negativamente a sua família e 33% dizem que ser pastor é claramente um risco para sua família.

Stephen Kanits nos conta a seguinte história: Há vinte anos presenciei uma cena que modificou radicalmente minha vida. Foi num almoço com um empresário respeitado e bem mais velho que eu. Ele era um dos poucos engaja- dos no social, embora fosse pessoalmente um workaholic (em tradução livre: viciado em trabalho). O encontro foi na própria empresa, ele não tinha tempo para almoçar com a família em casa nem com os amigos num restaurante. Seus olhos estavam estranhos, achei até que vi uma lágrima no olho esquerdo. Bobagem minha pensei, homens não choram, especialmente na frente de outros. Mas durante a sobremesa ele começou a chorar copiosamente. Fiquei imaginando o que eu poderia ter dito de errado.

“Minha filha vai se casar amanhã”, disse sem jeito, “e só agora a ficha caiu. Eu fui um tremendo de um workaholic e agora percebo que mal a conheci. Conheço tudo sobre meu negócio, mal conheço minha própria filha. Dedi- quei todo o tempo a minha empresa e me esqueci de me dedicar à família.”

Prezado colega de ministério, “nenhum sucesso no mundo compensa o fracasso no lar”. Priorizar a família é tão importante que a Ordem de Pastores Batistas do Brasil dedicou um capítulo inteiro de seu código de ética só para tratar dos deveres do pastor para com sua famí- lia, que em síntese é retratado em um verso da poesia do Pr. Marcos Amazonas dos Santos, intitulada “Ser Pastor”: “Ser pastor é ser membro de uma família. É ser marido, pai, amigo e pastor dos mesmos. É ser presente, mesmo quando o tempo parece ser tão pouco. É ter a coragem de parar para poder ser pai e marido. É simplesmente ser.”

Tem certeza que você quer continuar com aquele velho discurso que faz tudo em nome da obra?

PR. NIVALDO CAVALLARI

Presidente da Ordem dos Pastores Batistas do Paraná

 

Siga a CBP!