O ano de 2020 começou como todos os outros, cheio de sonhos e projetos, mas uma bomba caiu sobre a cabeça de todos: a pandemia da COVID-19. E agora, como desenvolver esses projetos? Essa foi a pergunta feita por muitos educadores, pastores, Igrejas e instituições missionárias, uma delas foi a Convenção Batista Baiana (CBBA), da qual faço parte como missionária. Todos buscavam soluções para essa situação/problema.

Outras perguntas surgiram: Como desenvolver a campanha de missões infantil? O que fazer para envolver as crianças e alcançar o alvo? Era possível fazer uma lista de obstáculos a serem vencidos: distanciamento social, incertezas, o hábito de fazer tudo sempre do mesmo jeito, falta de conhecimento tecnológico, resistência à mudança e muitos outros. Se esses obstáculos não fossem ultrapassados não seria possível avançar e alcançar o objetivo. Para isso, foi necessário reconstruir o conceito de Campanha de Missões Infantil, nas seguintes áreas:

Levar a Campanha de Missões às crianças em casa – A metodologia usada para desenvolver a Campanha, de modo geral, costuma realizar cultos temáticos, murais, gincanas e atividades desenvolvidas nas dependências da Igreja/prédio/templo. Era necessário sair das quatro paredes, fazer algo diferente e inovador. Como? Motivando as crianças a desenvolverem todas as atividades em casa. Foi criado um calendário com 31 tarefas para serem realizadas durante o mês de julho de 2020, uma por dia. O mural da campanha, que era confeccionado na sala do Ministério Infantil, foi montado na casa de cada criança. Mas para que isso acontecesse era necessário…

Envolver os pais – Alguns pais têm o hábito de transferir a Educação Cristã para a Igreja, mas ela estava fechada, por isso foram incentivados a cumprir a ordem dada em Deuteronômio 6.6-8 “E estas palavras que hoje te ordeno, ensinarás aos teus filhos”. Os pais se motivavam a desenvolver as atividades diariamente com os filhos por ver a alegria e empolgação das crianças. Todos os domingos utilizavam as devocionais missionárias (era uma das atividades) para fazer o culto doméstico. Assim, a consciência missionária, necessidade de intercessão e de ofertar, começou a ser desenvolvida na família. Mas, para ter uma comunicação com as famílias foi imprescindível…

Usar as mídias digitais – As crianças da Geração Alfa são nativas digitais. Mídias digitais são coisas comuns e naturais para elas, mas boa parte dos adultos não é, gerando preconceito e resistência. O meio usado para vencer essas dificuldades foi: a cada tarefa realizada, as crianças precisavam postar em suas redes sociais usando a #campanhaeucreio para que todos no estado pudessem acompanhar o que as crianças Batistas baianas estavam fazendo. As promotoras de missões e professoras do Ministério infantil de cada Igreja faziam reuniões online para orientar e incentivar as crianças na realização das atividades.

Resultado: muitas Igrejas ultrapassaram o alvo, famílias mais unidas, crianças comprometidas com oração e trabalho missionário.

O que é possível aprender com essa experiência?

Não podemos parar! Sempre aparecerão obstáculos para serem ultrapassados.

Precisamos sair das quatro paredes! Algumas Igrejas ainda não voltaram às atividades presenciais, mas a Igreja pode ir até as crianças por meio de: EBD ou EBF na caixa; Mala viajante do culto no lar; Drive-thru e Drive-in infantil.

Envolver os pais! Capacitar, orientar e envolver os pais para, em parceria com o Ministério Infantil, desenvolver uma educação Cristocêntrica em seus lares.

Usar as mídias digitais! A pandemia empurrou todas as pessoas para o mundo digital, então, vamos tirar proveito: fazer EBD, Culto Infantil e outras atividades online; reuniões de oração com as crianças por chamada de vídeo; programas infantis; compartilhar vídeos de histórias bíblicas; e aproveitar a experiência vivida na pandemia para propor uma alfabetização digital para aqueles que precisam.

Essas são apenas quatro lições destacadas da pandemia, que é possível usar no Ministério Infantil. Claro que essa lista poderia ser bem maior, mas hoje ficaremos por aqui. Até a próxima!

Luciane de Freitas, escritora, educadora cristã, missionária da Convenção Batista Baiana, membro da Igreja Batista em Santa Brígida – BA

Siga a CBP!