Em primeiro lugar, para podermos falar de de- pressão tentaremos definir o que de fato é depressão, e assim, poderemos dar explicações e também definirmos a depressão de um modo científico, bíblico e psicológico, para podermos então desenvolver a partir desses conheci- mentos um aconselhamento pastoral. A definição dada pelo site ABC da saúde, é que a depressão é uma enfermidade que se distingue por danificar o estado de humor da pessoa, deixando-a com profunda tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem apresentar a doença, porém, mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também frequente (www.abcdasaude.com.br ).

Segundo Tim LaHaye, to- das as pessoas passam por um momento de depressivo em algum momento da vida. A depressão é um mal universal, e ela não faz acepção de pessoas. Recentes investigações nos revelam que afeta tanto aos pobres como aos ricos (LAHAYE, Tim. Como vencer a depressão). Gary Collins, ao trabalhar o tema, diz que ela tem sido reconhecida como um problema comum há mais de três mil anos. É um problema que ocorre no mundo inteiro, e afeta todas as idades. Segundo Collins o número de crianças, adolescentes e jovens tem sido afetados também pela depressão. Para ele, a depressão é considerada o “resfriado” dos transtornos mentais e já foi descrica como; “o mais difundido, sério e dispendioso transtorno psiquiátrico dos dias de hoje (COLLINS, Gary R. Aconselhamento cristão).

Depressão é um transtorno que pode ser caracterizado por baixa energia, sentimento de tristeza prolongado, irritabilidade, falta de interesse nas atividades diárias, perda de prazer, alteração no sono, dificuldade de concentração, pensamentos de morte, sentimentos de inutilidade e culpa. A depressão pode ser causada por uma combinação de fatores tais como: desequilíbrio químico no cérebro, herança genética, características psicológicas e situações emocionais estressantes.

Muitas pessoas com depressão não procuram tratamento porque ficam constrangidas ou pensam que vão superar sozinha o problema. Ainda existe uma crença de que a depressão é uma “característica de pessoas frágeis”. Mas o tratamento com medicamentos associados a psicoterapia podem ajudar muito (http://psicologues. com). Depressão é uma doença marcada por mudanças extremas no comportamento, energia e ânimo de uma pessoa. Não é uma doença “de cabeça”. Ela afeta tanto a mente quanto o corpo. Sentimentos ocasionais de tristeza são normais e podem ter inúmeras causas. Na depressão, sentimentos de tristeza são fora de proporção e nem sempre se relacionam a causas externas. Pessoas que não sofrem de depressão lidam com seus problemas (internos e externos) sem ficarem incapacitadas. O mesmo não acontece com depressivos. A doença interfere na habilidade pessoal de trabalhar, dormir, se relacionar, comer, de gostar de atividades antes consideradas prazerosas (http:// www.geocities.com).

Definição bíblica

O termo depressão não aparece na Bíblia, também não é enfatizada a questão do desespero humano, visto que a proposta de Deus é de mostrar esperança e promover através da sua Palavra o bem-estar para o homem. Contudo, está implícito em várias passagens bíblicas relatos de pessoas que aparentemente se encontravam com sintomas de depressão. Percebe-se que nos Salmos 69, 88 e 102, são canções que falam de desespero, mas em um contexto de espe- rança.Segundo Gary Collins, to- dos os crentes que afundaram na depressão acabaram superando o problema de desfrutado de uma nova e duradoura alegria. A oração confiante de Paulo em favor dos romanos será um dia realidade na vida de todos os cristãos: “E o Deus da esperança vos encha de todo o gozo e paz no vosso crer, para que sejais ricos de esperança no poder do Espírito Santo” (COLLINS. Op. Cit. p.123).

Definição psicológica

Dentro dessa definição psicológica, Collins apresenta algumas causas que estão de alguma forma ligada estado de depressão dos indivíduos. Segundo ele, seria: A história de vida e a família; estresses e perdas importantes; desespero aprendido; causas cognitivas; ira pecado e culpa. Gary Collins apresenta uma estatística de que 25% dos alunos das faculdades sofrem de depressão em algum momento, e 33% dos que abandonam o curso sofrem de depressão grave antes de deixar a faculdade. A conclusão segundo Collins que se tem diante disso, é que os fatores psicológicos, de desenvolvimento, interpes- soais, espirituais e outras influências não físicas são a causa de muitos estados depressivos.

Na revista “Isto é, guia da saúde familiar”, o autor afirma que: “A depressão é uma doença da mente e do corpo. Muitas pessoas têm ambos os sintomas, físicos e psicológicos, mas a natureza exata da doença varia de uma pessoa para outra. Uma determinada pessoa pode apresentar a predominância de alguns sintomas da doença que diferem dos sintomas predominantes em outra pessoa”. Algumas pessoas não apresentam quaisquer sintomas de depressão, mas começam a se comportar de modo estranho (ISTOÉ, Guia da Saúde Familiar, De- pressão).

Orientação para aconselhamento pastoral

Gary em seu livro apresenta algumas orientações para o conselheiro, falando primeiramente que para depressão existe cura. Fazendo entender que o tratamento começa quando o pastor está disposto a tratar o depressivo entendendo a sua situação e então disponibilizando de tempo para que o paciente seja paulatinamente curado. Uma coisa importante que o conselheiro deve saber que as pessoas deprimidas ficam geralmente tímidas, passivas, falam pouco e, quando falam, expressam seus sentimentos e desejos negativamente. Portanto, o conselheiro deve motivar o aconselhado a desenvolver uma verbalização mais ativa.

É importante também para o conselheiro entender que ele precisa estar atento para ouvir sobre os problemas da pessoa que está sendo tratada, e ter sensibilidade para detectar na fala, expressão, nos gestos, sinais de raiva, mágoa, pensamentos nega- tivos, baixa auto-estima e culpa. Esses são sinais de de- pressão e que posteriormente causarão danos maiores, e se foram detectados poderão ser tratados o quanto antes.

Collins diz que existem vários motivos que levam a pessoa a cair em depressão e apresenta algumas abordagens que ajudará o pastor conselheiro, a aliviar seus problemas e não de piorar o quadro do paciente. Muitos casos de depressão se dão por causas fisiológicas, e esse tipo de tratamento deve ser feito com muita cautela, onde o conselheiro deve estar atento as reações do aconselhado para perceber se está tendo alguma melhora, caso contrário, ele deve ser encaminhado a um médico especialista para tentar trabalhar a questão física do paciente. Percebe-se que em muitos casos as questões de depressão se dão por causas psicológicas e espirituais. Assim, o conselheiro deverá trabalhar as questões familiares, estresses, incapacidade aprendida, modo de pensar, e então ali seria o seu foco de tratamento.

Conclusão

A depressão tem cura. Mas se não for tratada pode levar a pessoa a morte. Vimos que são muitas coisas que levam à depressão e todas as faixas etárias são sujeitas a ficarem deprimidas. Se você consegue reconhecer quando alguém está com depressão e pode dar o seu apoio, isso será muito importante. Talvez isso não signifique nada para você, mas, na verdade, para outra pessoa que foi orientada, aconselhada ou até mesmo encaminha ao conselheiro, talvez lhe tenha dado outra oportunidade de viver.

Anderson Resende Barbosa, membro da Primeira Igreja Batista de Brasil Novo – PA