O lar deve ser sempre um ambiente onde encontramos: paz, harmonia, alegria e felicidade. Nosso lar é, sem sombra de dúvida, o nosso porto seguro. A família, sendo a célula mater da sociedade, deve estar sempre em perfeitas condições para se reproduzirem de forma saudável os seus filhos, para que seja elemento útil em nossa sociedade. A Palavra de Deus diz que os filhos são benção do Senhor para os pais, mas, e para a sociedade, o que estamos formando? Para que um

filho seja benção do Senhor no mundo atual, ele deve ser instruído de acordo com as Escrituras Sagradas. “Instrui o menino no caminho em que deve andar e, ainda sendo velho não se desviará dele” (Pv 22.6). Para os nossos filhos serem benção, eles precisam ver em nós o exemplo que estamos transmitindo. A Bíblia diz que nós, seres humanos, somos o espelho que reflete a imagem do Senhor. Será que verdadeiramente eles veem isto em nós? Qual o legado que estamos deixando? Será que eles nos têm como um modelo a ser seguido? Ao pensar nas palavras para compor este artigo, me vem na lembrança a história da família de um grande patriarca, Isaque. Uma família formada entre opiniões divididas. Isaque, já velho, sem a visão suficiente para distinguir entre um filho e outro, com a ajuda da própria esposa foi enganado dentro de sua própria casa. Acabou abençoando a Jacó com a benção da primogenitura que pertencia ao seu primogênito, Esaú. Dentro de um lar, não deve haver prioridade por um determinado filho, ambos devem ser tratados de forma parcial, para que não aconteça o que aconteceu com a família de Isaque, que passou a se odiar por muitos anos (Gênesis 27.41). A família saudável busca viver em união. “Se uma casa se dividir contra si mesma, tal casa não poderá subsistir” (Mr. 3.25), disse o próprio Jesus. Seus membros devem caminhar sempre em um único propósito e em um só pensamento, de acordo com a vontade de Deus. Quando existe dentro do lar opiniões divididas por parte dos pais, poderá surgir conflitos que podem perdurar até a idade adulta e serem transferidos para famílias futuras. A família mencionada se desenvolveu como casa dividida e foram marcadas por desrespeito, sentimentos facciosos, competitividade, rivalidade e separação. Os remédios bíblicos, para a cura de uma família nesse aspecto são: amor de forma moderada (I Coríntios 13. Ip. 4.8b), a união que nos unge (Salmos 113) e o perdão que

cicatriza as mágoas em todos os aspectos (Êxodo 20.12; Provérbios 15.33; Romanos 12.10). Essas recomenda ções bíblicas devem marcar as famílias que desejam ser saudáveis. Famílias saudáveis executam a Disciplina e a Justiça de Deus. O pai, ao disciplinar o filho, não deve ser movido por ira, impaciência, ou caprichos pessoais. Longe de ser desamor, é remédio usado pelo próprio Deus: “Eu repreendo e castigo a todos quanto amo” (Ap 3.19). Disciplina é prova de amor (Provérbios 13.24; 22.15; 29.15), é remédio para a alma. A falta de disciplina dentro do lar gera filhos que também não compreenderão bem os limites da sociedade.
Carlos Montani, pastor da Terceira Igreja Batista de Umuarama – PR