Você está ligado nas notícias, seja através da TV, da internet, dos jornais impressos ou de outras formas? Se a resposta for sim, já deve ter percebido como o nosso mundo é mau. A Bíblia fala sobre isso: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno” (I Jo 5.19). O maligno está aparecendo cada vez mais através de diversas formas e uma delas é a violência. As pessoas brigam por nada. Tudo é motivo para uma discussão, um desentendimento e, infelizmente, um assassinato. É o fim dos tempos, não tenho dúvidas. As pessoas brigam no trânsito, marido e mulher brigam sei lá por que, uma pessoa olha para a outra e já quer “voar no pescoço

dela”. Lamentável! E quando vão praticar a justiça é sempre com violência, com uma faca, um revólver. Em um tempo como o nosso, cabe bem lembrar aos cristãos que podemos fazer a diferença. Vou melhorar isso: Temos que fazer a diferença. Você concorda? “Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos…” (Gl 6.10). É bíblico. Nós podemos mudar esse quadro. Nós podemos fazer deste mundo, um mundo melhor. Como? Fazendo o bem. Sim, fazendo o bem! Não vamos agir do jeito que agem as pessoas sem Deus. Se você é cristão, não pode entrar no jogo do maligno. Se o maligno quer briga, morte, confusão, o cristão quer paz, harmonia, relacionamentos saudáveis. O cristão quer fazer o bem. É impressionante quando vivemos para fazer o bem; as pessoas ficam espantadas.
Fazer o bem é muito bom! Lembro-me de algumas coisas que já fiz pelas pessoas, penso nas que tenho feito e isso me deixa feliz. Já me ajoelhei no corredor de uma Universidade para falar bobeiras para uma amiga que estava mal e só me levantei quando ela riu para mim. Isso é muito bom! Um dia, entrei na sala e só vi uma aluna. Não lembro se era intervalo ou outra coisa, mas lembro-me que ela estava chorando muito. Fui perto dela, abaixei-me e falei: “Olha, sei que nós mal nos conhecemos, não somos amigos (eu estava começando o curso ali), mas se precisar desabafar, pode contar comigo”. Ela não quis falar nada, só me agradeceu através de gestos. No outro dia ou dias depois (não lembro), ela chegou perto de mim e agradeceu por ter colocado-me à disposição de ouvi-la. Isso não é bom? Lembro-me de ter escutado um dia, quando uma colega de turma que eu também mal conhecia estava falando que precisava criar um e-mail para ela, mas ela não sabia como fazer. Eu me prontifiquei: “Olha, se você quiser, criamos um e-mail agora para você”. “Sério? Você faria isso por mim?”, disse ela. Eu disse que sim e, se não me engano, fomos criar o e-mail. Detalhe é que estava na hora de começar a aula. Eu não me importei com isso. Não quero ficar enjoando ninguém com minhas histórias, mas se você chegou até aqui, o texto não deve estar tão ruim (risos). Um dia, ao chegar à secretaria da escola na qual trabalho, ouvi uma professora reclamando de um aluno dela, que ele era muito bagunceiro e ela não estava aguentando mais. Nós dávamos aula para turmas da mesma série, então, disse a ela que podia mandar o aluno para minha turma, se a nossa chefe concordasse. Ela ficou espantada por eu querer um aluno bagunceiro, mas o que eu queria era ajudá-la. A chefe aceitou, o aluno foi para minha turma e a professora trabalhou mais tranquila naquele ano. Já está cansado? Prometo que vou encerrar! Se todas as pessoas do mundo resolvessem fazer o bem, o nosso mundo seria muito melhor. Pequenos gestos, pequenas atitudes podem significar muito para quem está precisando. Tente murmurar menos, sorrir mais e fazer o bem a quem precisa. Se você colocar isso como um dos seus objetivo de vida, verá como sua vida será mais agradável. Além disso, você contribuirá para que a violência diminua, será exemplo de boa conduta e agradará a Deus. Vamos viver para fazer o bem? Deus te abençoe.
Wanderson Miranda de Almeida
membro da Igreja Batista Betel de Italva – RJ