“Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil” (Hb 13.17).

O mês de junho reserva alguns dias especiais na esfera da denominação: 02 – Dia Internacional de oração pelas crianças em crise; 06 – Dia do Homem Batista, no primeiro domingo; 13 – Dia do pastor; hoje, segundo domingo do mês; 23 – Dia da Educação Cristã Missionária e aniversário da União Feminina Missionária Batista do Brasil (UFMBB); 26 – Dia do Missionário Batista. Além disso, temos o aniversário da Convenção Batista Brasileira, no dia 22; Junta de Missões Nacionais (JMN) no dia 25; e Junta de Missões Mundiais, no dia 27.

Quantas celebrações marcantes que devemos comemorar com alegria e gratidão ao Senhor por permitir e cuidar de vidas tão preciosas e tudo por causa da Sua graça!

Obediência é a palavra-chave da temática de junho. Os líderes na Igreja devem ser respeitados e seguidos para evitar desordem e confusão. Liderança adequada requer submissão adequada. Aqui partimos da premissa de que os lideres são fidedignos e não exercem autoridade de maneira autoritária. A Congregação deve corresponder à liderança e cooperar sem criar um ambiente hostil em que seus líderes precisem trabalhar angustiados. Isso não significa, porém, que a Igreja deve obediência cega a seus dirigentes; o cristão só deve prestar contas a Cristo. Os líderes não devem dominar os outros exercendo controle ditatorial. O ofício de um líder é uma função exercida dentro da Igreja, não acima dela. A Igreja só se reúne debaixo da autoridade de Cristo, um dos nossos mais preciosos princípios, e só deve ser controlada pelo Espírito Santo. Portanto, os que a lideram devem também imitar a Cristo na disposição de servir de maneira incansável e de sacrifício no cuidado com os outros. O pastor ou líderes devem exercer sua vocação em obediência a Cristo e só podem ou devem agir no poder do amor. E também devem cuidar das vidas como quem há de prestar contas a Deus.

Então, queridos lideres e colegas de ministério, devemos observar muito bem por que fomos chamados pelo Senhor. Fomos chamados para sermos servos dos servos, porque foi isso que o nosso Mestre ensinou. E certamente, quando assim agimos, colhemos o que plantamos: respeito, admiração e a obediência dos servos do Senhor representados pela sua Igreja.

Que o Senhor nos ajude a desenvolvermos nossa vocação com temor e tremor diante Dele que nos concedeu esse belíssimo dom de pastorear conforme escrito está em Efésios 4.1-13. Um feliz e abençoado mês de junho na graça do Senhor Jesus Cristo!

Levir Perea Merlo, pastor, colaborador de OJB

Siga a CBP!