O Dia Internacional da Mulher está chegando e, por isso, escolhemos uma mulher especial para ser nossa referência hoje. Você conhece Abi? Ela pode ser encontrada também como “Abia” em algumas traduções bíblicas. Se nunca ouviu falar, não se culpe! Realmente não há muitos relatos sobre ela nas Sagradas Escrituras, mas o que se tem já é suficiente para nós.

Abi era filha de Zacarias, o profeta que recebeu visões de Deus. Por algum motivo, não revelado, ela se tornou esposa do rei Acaz, rei de Judá, e mãe do rei Ezequias (II Crônicas 29.1). Acaz é conhecido como um rei mau, capaz de queimar seus próprios filhos. Ele era extremamente idólatra e nem um pouco temente a Deus. Um exemplo disso foi quando ele tomou tesouros do templo em Jerusalém para dar ao rei da Assíria em troca de apoio militar.

Em contrapartida, seu filho, o rei Ezequias, foi um rei incrível! Nos primeiros versos de II Reis 18, vemos que Ezequias, quando subiu ao trono, fez o que era reto aos olhos do Senhor. Ele promoveu grandes reformas religiosas, administrativas e políticas. Dedicou-se para exterminar toda idolatria no meio do povo, reabriu e purificou o templo em Jerusalém. Em seu tempo, a verdadeira adoração ao Senhor foi reestabelecida.

Sim, mas e Abi? O que tem ela a ver com isso tudo? Acredita-se que toda influência benéfica que o rei Ezequias recebeu veio de sua mãe. Porque do pai, sabemos bem que não foi. Abi poderia ter se deixado corromper pelas más atitudes de seu marido. Ela poderia ter doutrinado seu filho com ensinos pagãos e feito com que ele não servisse ao Senhor. Mas ela não fez isso. Ela permaneceu convicta de suas crenças e influenciou positivamente seu filho.

Este não é um texto dedicado a mães. Abi pode ser um exemplo para nós também, jovens cristãs submersas em um mundo ao qual não pertencemos. Somos estrangeiras aqui, não é mesmo? Talvez, você ainda não tenha um marido, como Abi tinha, mas pode ter um chefe ou os próprios colegas no trabalho com princípios extremamente diferentes dos seus. Ou amigos na faculdade.

O ano letivo começou; talvez, você esteja voltando agora para o presencial. Então, fique atenta! Nossas universidades, além de conteúdo acadêmico, muitas vezes oferecem inúmeros caminhos de perdição. Até mesmo dentre seus amigos da Igreja pode haver pessoas que não temem a Deus, que não veem verdadeiramente a Bíblia como manual de fé e prática, e você precisa ser firme, garota! “Não se deixem enganar: ‘As más companhias corrompem os bons costumes’” (I Co 15.33). Não se deixe levar pelas crenças e práticas erradas daqueles que estão seu redor.

Não podemos nos esquecer também das redes sociais, onde somos bombardeadas por “inúmeras verdades”. A cada semana, um novo assunto está em voga, e somos pressionadas a tomar uma posição. Não estimulamos debates vazios, mas acaso seja preciso falar, não ceda! Posicione-se sempre à luz das Escrituras Sagradas, afinal, ela é inerrante, “porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12).

Vivemos, recentemente, um exemplo nítido de “pressão” nas redes. Há poucos dias, foi noticiado por todo lado que a Colômbia descriminalizou o aborto até a 24ª semana de gestação. Não muito tempo atrás, em 2020, a Argentina também aprovou a legalização do aborto. Se você ainda não foi impulsionada a falar sobre isso, prepare-se, porque em algum momento poderá ser indagada.

E então, o que você responderá? Jeremias 1.5 diz: “Antes de formá-lo no ventre eu o escolhi; antes de você nascer, eu o separei e o designei profeta às nações.” Esse texto claramente faz menção ao início da vida antes de sua concepção. Mesmo aquele que ainda está sendo formado no ventre tem valor para Deus e um propósito a cumprir. Devemos sempre ser a favor da vida! Essa minha convicção não é gratuita. Ela é fruto do que aprendo ao estudar a Bíblia.

Caminhando para o fim, quero dar dois conselhos para você:
1. Medite na Palavra. Suas convicções se tornarão mais firmes (II Timóteo 3.15-17);
2. Empenhe-se em ser exemplo para quem caminha com você (I Timóteo 4.12).
Imagine se as pessoas que influenciarmos fizerem a diferença, como o rei Ezequias? Como Abi, não se corrompa e busque sempre compartilhar os princípios e valores que norteiam sua fé. É possível permanecer convicta! Vamos juntas?

Fabiana Matias, responsável pelo perfil Ela, Vida & Missão, da UFMBB

Siga a CBP!